Dá até raiva!

RAIVA

Hoje eu estava levando minha esposa para um compromisso. Parei no semáforo e veio um homem de, imagino, uns 20 e tantos anos, alto, forte, sem deficiência alguma (sim, tudo isso é importante para o relato) me pedir dinheiro. Como meu carro não tem ar condicionado, eu tenho que andar com as janelas abertas e tenho que falar não pra pessoa.

Do lado do meu carro parou outro carro, um Passat desses mais novos. Como esse carro tem ar condicionado e vidros filmados, o motorista nem precisou responder nada para o homem que veio pedir dinheiro. Nem abaixou o vidro e o cara passou.

Quando o cara passou ele abaixou o vidro e disse pra mim: “Dá até raiva, não dá? Um homem forte desse pedindo dinheiro no sinal!”. Eu, claro, não concordei e o motorista do Passat continuou: “Mas podia arranjar um emprego, não podia?”. Respondi: “Podia, mas como você sabe que ele não tá tentando? Como você sabe que ele tá nessa de pedir dinheiro no semáforo por pura vagabundagem? Ele pode estar procurando emprego e ainda não conseguiu. A crise tá ficando feia, muita gente perdendo emprego e não conseguindo emprego de novo. Você sabe se ele tem família para sustentar?”.

Claro que o motorista não sabia. Dá até raiva, não dá?

Pare de conversar!

pare de conversar

Eu sei, parece um conselho estranho para se dar. Afinal, todo mundo conversa e gosta de conversar. É uma das coisas que nos faz humanos, o contato com outras pessoas e ideias. Mas, se você gosta de escrever, você precisar parar de conversar com os outros. Vou explicar.

Eu tenho várias ideias de textos e livros. Sempre que algo aparece na minha mente eu conto para alguém. Sempre que eu conto para alguém eu tenho a sensação de que aquilo saiu de mim e já foi. Não preciso escrever nem nada, já tem alguém que ouviu e a missão já foi cumprida. Isso acaba me atrapalhando muito, pois os textos acabam se perdendo nas conversas e não tenho nada escrito em lugar nenhum.

Você pode até pensar que eu estou sendo egoísta me preocupando em contar minhas ideias para os outros e acabar sendo copiado. Mas não é isso que quero dizer. Mas é que não sigo com a ideia, me vem aquele sentimento de dever cumprido e não vou pro computador escrever. O problema maior é que por via oral o alcance das minhas ideias é muito limitado, não consigo conversar com tanta gente assim.

De novo, não é egoísmo ou orgulho. Apenas quero compartilhar minhas ideias com o maior número possível de pessoas e receber uma resposta delas. Via oral isso é muito restrito, principalmente porque poucas pessoas tem a coragem de falar o que pensam na sua cara. Perco retornos valiosos sobre assuntos interessantes com isso.

Então vou parar de conversar com as pessoas e escrever tudo aqui. Assim eu tenho o registro, consigo atingir mais pessoas e também consigo mais retorno e consigo evoluir mais rápido. Pode ser que minhas ideias também ajudem as pessoas, mas presumir isso seria egoísmo…

Foco!

foco

Eu sou conhecido por começar a fazer um milhão de coisas e não terminar nenhuma. Sou muito disperso e sempre em busca de novidades. Então as coisas começam a ficar chatas quando a curva de aprendizado começa a ficar horizontal. As novidades somem e o meu interesse também.

Infelizmente a vida não funciona dessa forma. É preciso que você dedique tempo e esforço para realizar grandes coisas. É preciso dedicar tempo e esforço para terminar um curso de graduação. É preciso dedicar tempo e esforço para se manter no emprego, por mais chato que ele seja. Casamento, cursos, filhos, emprego, negócio… Quase tudo a se realizar nessa vida demanda esforço, tempo e foco.

Não se constrói nem uma casinha de cachorro da noite pro dia. Você, primeiro, precisa de um plano. Qual será o formato da casinha? Tamanho? Você vai usar que material? Sabe trabalhar com aquele material? O material está disponível para compra e você tem o dinheiro para comprar esse material? Você tem as ferramentas necessárias? Tudo isso antes de realmente fazer alguma coisa! E é só uma casinha de cachorro!

Não estou menosprezando as pessoas que amam seus cachorros e querem construir casinhas maravilhosas para que eles durmam quentinhos e contentes nas noites geladas de inverno. Só estou dizendo que isso é muito pequeno perto de outras coisas que fazemos na vida. Cuidar do cachorro demanda muito mais esforço e dedicação do que fazer uma casa para ele!

Já tentou fazer uma horta? Plantar, uma hortelã que seja, num vaso na varanda de casa ou do apartamento? Você deve estar pensando: “Porra, planta nem se mexe, não faz barulho nem caga pela casa toda.. Isso é fácil!”. Você está certo em partes, é muito mais fácil do que cuidar de um animal, com certeza, mas mesmo assim ainda existem certo desafios.

A planta te dá muito menos sinais de como ela está. E existem insetos e pragas quase invisíveis que podem destruir sua plantinha. Em tempo de seca e calor, um dia sem regar sua planta pode matá-la. A planta não fazer barulho nem chamar sua atenção não é uma vantagem, é mais fácil você se esquecer dela!

Agora mudando para outras áreas da vida. Você fez faculdade? Achou foda? Eu fiz faculdade e achei a minha foda. Nem vou falar do curso porque isso é irrelevante, qualquer faculdade é foda. Agora tenta fazer um mestrado. Cara, eu estudei mais para uma matéria do meu mestrado do que eu estudei pra minha graduação inteira. E nem sou aluno regular ainda, estou apenas fazendo umas disciplinas como aluno especial.

Você tem que focar, tem que se lembrar todo dia do porquê você está fazendo tudo isso que está fazendo na sua vida. Será que você está gastando seu foco na coisa certa? Eu me pergunto muito isso. Obviamente que a resposta é muito pessoal e varia muito. Eu acho que jogar videogame não é algo onde eu deva gastar muito foco. Com certeza é divertido, mas não me sinto construindo nada. Mesmo assim, atualmente, existem pessoas que vivem de jogar videogame. Eu acho isso sensacional!

Enfim, foco é essencial na vida. Pena que demorei tanto tempo para descobrir isso…